Chris Santoschris
Abro mão de longas descrições, porque nesse espaço de crônicas eu sou uma aprendiz e enfrento o desafio de me despir das certezas. Escolhi seguir e exercitar uma nova dinâmica de criatividade coletiva e convivência. Sou formada em Relações Públicas e Ciências Sociais. Assessora de imprensa como profissão.


deniseDenise Faria
Quando criança e adolescente lia o tempo todo e por vários motivos: para esquecer, aprender, fugir das obrigações, por puro prazer. A necessidade de escrever só veio bem depois, nos tempos do curso de Comunicação, e por causa do trabalho como produtora editorial. As crônicas são um exercício recente, que tem exigido coragem (eu diria até uma certa cara de pau) e muita dedicação, porque não é tarefa fácil quando se é muito exigente. Mas aos poucos vem encontrando sua voz e, felizmente, ouvidos amorosos com quem compartilhá-la.


benettonLuiz Geraldo Benetton
Escreve por turbilhão, compulsão involuntária, catarse por tabela. Pratica leitura e gastronomia, coleções peculiares e lamenta não ter sido astronauta submarino. Persegue a ausência de estilos, que é, per si, um estilo. Contradições nunca bastam. Psiquiatra e analista junguiano.


mariseMarise H. Louvison, 09/01/1952
Gosta da coincidência de ser o mesmo dia e mês de nascimento de Simone Beauvoir. Em sua multifacetada vida, estudou matemática, administração com foco em relações internacionais, filosofia, literatura francesa e espanhola, além de outras encrencas. Insiste em dizer que pratica a escrita para ter o que fazer quando for parar em uma casa de repouso, onde não faltarão personagens. Ela torce para que isso aconteça. Sinal de que não ficou na estrada.


Patriciapatricia Marcela Gabborin
Nascida em 06/02/62, adorava contar histórias fantasiosas na infância, criando personagens em mundos imaginários. A primeira representação dessa expressão criativa se deu por meio do desenho. Depois disso veio a fotografia, e a passagem para o registro cotidiano tomou conta da narrativa. Daí até chegar às crônicas foi um longo caminho. De início, a graduação em Design, quando a arte se tornou aplicada. Depois veio a Comunicação e o Marketing, quando a arte passou a ter direção e resultado. Mas ainda bem que chegou o resgate ao ingressar na melhor idade! A empatia com um grupo de pessoas transformadoras, e com o desejo comum de partilhar idéias de forma coletiva, me salvou. E cá estou, revivendo, reapreendendo e preenchendo este novo encontro com a criação, arriscando o pretencioso caminho de ser literária.


renataRenata Mendes
É várias em uma só. Tem sede do novo, de viagens não convencionais e encontrou nas crônicas uma forma de cura para seu tédio do cotidiano. Adora filosofar sobre a vida e a existência humana. Mergulhos na alma. Transita bem entre os mundos, mas prefere mesmo um belo pôr-do-sol na praia, sem muita gente, para apreciar o que a vida tem de melhor… Viver! Feliz por vocação e triste por péssimas escolhas. Trabalha com desenvolvimento humano através do Yoga e da Meditação, é empreendedora social e fotógrafa de viagens.


veruskaVeruska Zanetti
Advogada por formação, aventureira por natureza. Contraditória, é fã de esportes radicais mas morre de medo de barata.  Coleciona amigos, paixões, carimbos no passaporte e boas histórias. Inquieta e curiosa, já transitou no mundo das artes por meio da dança, pintura, fotografia e moda. Escolheu as crônicas e contos como companhia para sua próxima parada. CARPE DIEM.


Escreva para nós: contato@cronicascoletivas.com.br