©  Chris Santos

Sentiu o corpo tremer, um frio na barriga. As lágrimas queriam brotar naqueles lindos olhos castanhos. Qual a razão daquele turbilhão emocional, de sensações paralisantes? Ela não sabia explicar. A paralisia e o medo tomavam conta dela só de pensar em colocar a mão na maçaneta e sair por aquelas ruas tão conhecidas de outros tempos. Respirou fundo e se sentou na cadeira mais próxima da porta.

Seus pensamentos voltaram no tempo. Para um dia de sol brilhante, quando ainda se sentia a dona do mundo, como dizem. Andava pela calçada e ouvia o tiquetaquear do salto da sandália na calçada. Olhava vitrines coloridas e parava para apreciar os acessórios que as empresas desejavam que todos comprassem. Uma bolsa nova? Um vestido esvoaçante? Naquele dia não. Queria apenas tomar um gelatto de pistache na sorveteria que acabara de inaugurar ali na rua Oscar Freire.

Ambiente cheirando a juventude, a limpeza. A beleza nos detalhes cheios de cor nas paredes. Imagens de bolas e bolas de sorvetes, de frutas, de taças transbordando enfeitavam e atiçavam o pecado, estimulavam a gula. Não resistiu e tirou uma foto com seu moderno celular e logo postou no Instagram. Queria poder captar a mistura de cheiros! Acordes de açúcar, baunilha, leite, chocolate, morango e nozes se alternavam e mesclavam com outros aromas que ela não sabia reconhecer. Uma onda de ternura a acalmou.

Se aproximou do balcão e pediu duas bolas daquele sorvete que se parecia com nuvens coloridas. Pistache e doce de leite, seus sabores preferidos. Mais uma foto. Agora da guloseima apetitosa que derretia à sua frente.

De repente, um sobressalto. Ela foi resgatada dos devaneios por sua prima, que entra na sala e lança-lhe um olhar cheio de dúvidas. O que acontecera? Tive que estacionar para vir ver o que tinha ocorrido com você”. Um raio de sol parece atravessar a cortina e ela mal consegue mexer os lábios e dizer: “não consegui”. Silêncio e compreensão pairam entre as duas mulheres. Palavras não são necessárias. Apesar das expectativas, tudo tem seu tempo para acontecer.