© Renata Mendes

Quando era criança me perguntava para que servia aquele pininho em cima da tampa da panela de pressão. A única coisa que sabia era que nessa panela tudo que se colocava para cozinhar levava um tempo (menos que nas outras) para ficar mais macio. Era o feijão, a carne, o grão de bico.

Lembro de estar na sala de TV, escutar um apito alto na cozinha e logo em seguida sabia que vinha a comida saborosa e macia.

Curiosa, perguntava para a Ilza, a responsável por me mimar pelo estômago, para que servia a peneira, a batedeira, o liquidificador (nunca conseguia falar o nome inteiro), até chegar na panela de pressão.

– Il, pra que serve esse negocinho em cima dessa panela? Por que ela é diferente das outras? O que ela tem de tão especial para deixar tudo tão gostoso?

Com seu sorriso vazado e paciente, Ilza, já acostumada com a metralhadora de perguntas, disse:

– Neguinha, esse pino serve para avisar quando as coisas ficaram prontas. Já borbulhou tudo lá dentro então ela sai gritando: me tira daqui, já posso ir para a mesa encher a barriga da neguinha – falou, pegando na minha barriga.

Saí dando risada. Gostava do jeito que ela me ensinava.

Hoje, quando tudo borbulha aqui dentro da minha cabeça, sei que em algum momento vai sair. Talvez alguma coisa nova e saborosa. Só é preciso esperar o pininho levantar e começar a apitar: chega! me tira daqui! Já está na hora de matar alguma outra fome da minha alma.